PÁGINA INICIAL/PERGUNTAS E RESPOSTAS/POR QUE NÃO SÃO REALIZADOS ESTUDOS DE SAÚDE DE LONGO PRAZO COM PLANTAS TRANSGÊNICAS?

 

Estudos de saúde de longo prazo já foram realizados sobre os transgênicos. Além do fato de os alimentos transgênicos terem um histórico longo e seguro (18 anos no mercado), as plantas geneticamente modificadas são testadas de forma repetida e extensiva em relação à segurança do consumidor e do meio ambiente, e esses testes são analisados ​​pelo Departamento de Agricultura dos EUA, pela Agência de Proteção Ambiental dos EUA (EPA), pela Administração Federal de Alimentos e Medicamentos, e por outras organizações semelhantes em nível internacional.

 

Uma lista de 1.785 estudos de segurança dos transgênicos, incluindo estudos de longo prazo, está disponível para download no Informa Healthcare.1

 

O Serviço Internacional para a Aquisição de Aplicações em Agrobiotecnologia (ISAAA)2 fornece 610 artigos científicos publicados em revistas avaliadas por pares que analisam a segurança dos alimentos derivados de plantas geneticamente modificadas, e o biofortied.org fornece uma lista crescente de estudos exclusivamente independentes sobre os transgênicos.

 

Além disso, a Comissão Europeia realizou vários estudos sobre a segurança dos transgênicos. De acordo com a Comissão Europeia, “a principal conclusão, depois de mais de 130 projetos de pesquisa realizados em um período de mais de 25 anos e envolvendo mais de 500 grupos de pesquisa independentes, é que a biotecnologia, particularmente os transgênicos, não trazem, per se, mais riscos do que as tecnologias convencionais de melhoramento de plantas”. 3

 

Fontes:

[1] Informa Healthcare: http://informahealthcare.com/
[2] Serviço Internacional para a Aquisição de Aplicações de Agrobiotecnologia (ISAAA): www.isaaa.org/
[3] Uma Década de Pesquisas com Transgênicos Financiadas pela União Europeia 2001-2010. (2010). Retirado de http://ec.europa.eu/research/biosociety/pdf/a_decade_of_eu-funded_gmo_research.pdf